Pular para o conteúdo principal

Produção de café da agricultura familiar conquista paladares de todo o mundo

O café, bebida que não pode faltar na mesa do brasileiro, se destaca na Bahia com a produção de agricultores familiares. O estado é o quarto produtor nacional, responsável por 50% da produção do café brasileiro, mas é o sabor da agricultura familiar baiana que tem conquistado os paladares mais apurados de pessoas de todas as partes do mundo.

No Território de Identidade da Chapada Diamantina, a produção essencialmente gourmet se destaca e vem colecionando premiações em concursos de cafés especiais, sejam eles estaduais ou nacionais, com repercussão internacional.

O café cultivado por agricultores da Cooperativa de Cafés Especiais e Agropecuária de Piatã (Coopiatã), se mantém, nos últimos anos, entre os dez melhores colocados no concurso Cup of Excellence da BSCA – Brazilian Speciality Coffee Association, principal concurso de qualidade de café no mundo. No município, está localizada a única fazenda no Brasil tricampeã no concurso. Além disso, o café está sendo exportado para Austrália. Somente neste ano, já foram enviadas 98 sacas para o país.

A Chapada Diamantina é privilegiada pela altitude e também pelo microclima presentes nas regiões cafeeiras, que garantem temperaturas amenas e promovem o amadurecimento mais lento do café, fazendo com que o fruto permaneça mais tempo na planta absorvendo ainda mais açúcares e sais minerais.

Para o presidente da Coopiatã, Rodolfo Moreno, além dos fatores climáticos, a forma com que o café é colhido, apenas os maduros, e manualmente, a secagem cuidadosa nos terreiros cobertos, o controle de temperatura e umidade para evitar fermentações indesejadas, a dedicação e o carinho que é aplicado com vigor nessa paixão piatãense são determinantes no diferencial do produto: “Os cafés de Piatã têm notas sensoriais de capim limão, caramelo e melaço de cana-de-açúcar que são raras é visto nos cafés dessa micro região de Piatã, então você pode estar em qualquer prova de cafés do mundo, se na mesa de prova aparecer essas notas sensoriais pode saber que o café é de Piatã”.

Segundo Moreno, o "Terroir" de Piatã é um dos principais fatores das premiações: “Você pode aplicar todas as técnicas possíveis para fazer um excelente café, porém, se não tiver a ajuda da natureza, fica muito complicado. O jeito que se desenvolveu para fazer esses cafés contribui significativamente também. Então, é um mix de sabedoria popular dos agricultores familiares, do clima e da altitude local que, juntas, fazem o "Terroir" de Piatã estar entre as 10 primeiras classificações em todos os concursos”.

Começou a colheita

Este sábado (14) é o Dia Internacional do Café e marca o início da colheita em grande parte das regiões cafeeiras. Em Vitória da Conquista, por exemplo, a colheita já começou.

A presidente da Cooperativa Mista dos Pequenos Cafeicultores de Barra do Choça e Região (Cooperbac), Joara Oliveira, conta que essa é a primeira colheita do ano e que o retorno ainda é pequeno. “Mas, no mês que vem, com a segunda colheita, vamos colher bastante. A expectativa é de 25 a 30 sacas por hectare. Este ano o fruto está bom e a lavoura revigorada por causa da chuva”.

Alianças Produtivas

A Coopiatã e a Cooperbac já se inscreveram e vão concorrer ao edital Alianças Produtivas Territoriais, do projeto Bahia Produtiva, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), que segue com as inscrições abertas até o dia 4 de maio, pelo site: www.car.ba.gov.br, e prevê investimentos de R$ 60 milhões no potencial produtivo do rural baiano.

Este é primeiro edital na Bahia de apoio às associações e cooperativas da agricultura familiar, tendo como foco a relação comercial destas cooperativas e associações com compradores do setor privado, incentivando a inclusão no mercado e atraindo empresas privadas para as oportunidades de negócio. 

Galeria de fotos