Pular para o conteúdo principal

Representantes da FAO visitam experiências da agricultura familiar em Pintadas

Representantes da FAO visitam experiências da agricultura familiar em Pintadas

Representantes da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) e da Universidade de Nottingham da Inglaterra conheceram, nesta sexta-feira (1), agricultores familiares beneficiados por políticas públicas do Governo do Estado, desenvolvidas em comunidades rurais do município de Pintadas. 

O objetivo da visita é discutir sistemas alimentares promovidos pela agricultura familiar baiana e mostrar que é possível abastecer grandes centros urbanos com alimentos menos industrializados e mais saudáveis, que respeitem o hábito alimentar da população.

Entre as propriedades visitadas está a da agricultora Marinalva Mendes, que nos últimos dez anos mudou de vida com a chegada de programas como o Luz para Todos e projetos de água para produção: "Eu costumava pegar água na cabeça, andava 4 km, agora é uma bênção porque a água tá na minha casa. Tenho minha horta e consigo ter uma renda".

Dona Marinalva também faz parte da Cooperativa Ser do Sertão, que está recebendo R$1,4 milhão de investimentos do projeto Bahia Produtiva, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), a partir de acordo de empréstimo com Banco Mundial.

O grupo também visitou a propriedade do agricultor Josenilton Alemão, criador de caprinos e associado da Cooperativa da Agricultura Familiar de Pintadas (Cooap) e que, hoje, fornece os animais para o Frigorífico Frig Bahia, parceiro comercial da Cooap, contemplado por meio de editais do Bahia Produtiva, com cerca de R$2,5 milhões : "Antes a produção era mais pra alimentar a família. Com a chegada dos investimentos do Governo do Estado hoje tenho na minha propriedade 50 matrizes".

De acordo com o Coordenador de Inteligência de Mercado do Bahia Produtiva, Guilherme Souza, o projeto entende que há necessidade de se discutir os sistemas alimentares dos grandes centros, tornando o acesso aos produtos da agricultura familiar mais eficiente: “A grande limitação dos sistemas alimentares de um grande centro hoje é justamente isso, o abastecimento de produtos mais frescos, produtos de preferência que não sejam ultraprocessados e que tenham capacidade de fazer com as pessoas adotem um comportamento alimenta melhor, um hábito alimentar que na maioria das vezes não é praticado. É essa oportunidade que cooperativas apoiadas pelo projeto devem buscar, oferecer alimentos que cumpram essa finalidade".

A agricultura familiar de Pintadas, somente por meio dos editais do Bahia Produtiva, já recebeu R$9,2 milhões de investimentos em diversas cadeias produtivas, atendendo diretamente 353 famílias de agricultores familiares.

A ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, pesquisadora da Universidade de Nottingham na Inglaterra, Teresa Campelo, destacou que as ações do Governo do Estado estão conectando cooperativas com pequenos agricultores familiares: "Uma produção sustentável saudável mostrando que é possível, sim, construir sistemas alimentares que deem conta de incluir a população pobre no meio rural de forma saudável, sustentável, e chegar no meio urbano garantindo e fornecendo alimentos de qualidade. Nós vimos aqui uma experiência que pode ser usada em qualquer lugar do mundo".

Para a assessora regional de sistema alimentares no escritório da FAO América Latina e Caribe, Sara Granados, todas as expectativas foram encontradas durante a visita: "Vimos muitas oportunidades na agricultura familiar conectadas aos mercados, conectados com a compra pública, nessa busca por um consumidor muito mais consciente. Ficamos muito satisfeitos com a visita e nossa ideia é continuar com as atividades e visitar novamente essa região".

O grupo foi composto também por gestores públicos do município de Lima, no Peru, e da Costa Rica, de pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), além de outros Oficiais da FAO para a América Latina e de técnicos da CAR/SDR e da SJDHDS.